quinta-feira, 1 de novembro de 2007

CARÊNCIA DE AMOR

Ontem, no metro, vi algo que me chamou a atenção. No começo achei até escandaloso demais, mas depois comecei a pensar e vi que não. Essa carência de amor, nos faz mesmo impotentes. Quando amamos demais, nos tornamos escravos desse amor. Pai e filha tentavam embarcar. A campainha tocou, a filha entrou mas o pai ficou para fora, apenas com seu braço para dentro. Todos sabem, que o metro não parte com a porta entreaberta. Qualquer pessoa nesta situação, esperaria o metro abrir novamente as portas. Caso ele não conseguisse entrar, ela teria a opção de esperá-lo na próxima estação. No entanto, ela começou a gritar desesperadamente pelo pai. Como se ela o tivesse perdendo naquele momento. Ela o agarrou e pediu ajuda para que as outras pessoas o puxassem para dentro. Ele conseguiu entrar. Ela o agarrou no pescoço e começou a chorar. Uns riram, outro se compadeceram. Ela devia ter por volta de 25 anos. O que me chama a atenção, é a sua sensação de perder o amor que é verdadeiro. Não importa se esse amor é amor de pai. O que importa é que é amor verdadeiro. Essa carência de amor, de descrença no ser humano, nos faz assim, impotentes e escravos do amor que temos.

4 comentários:

Anônimo disse...

Bem... sem palavras...
Eu ri, eu chorei, me compadeci, me deu vontade de parar e pensar... em vc, na Robertha, na minha mãe...
só voltei à realidade com a voz da ofélia, dizendo... rosana, vem cá um pouquinho (desta vez ela disse, por favor... )
Parabéns Edu!! Demais!!

Marcia disse...

Sem dúvida esse amor ,é como uma válvula de escape...em nossas vidas.
Mas....quando perdemos ..ou nos tiram,é como se arrancassem um pedaço de nos.....

O amor é um segredo a desvendar....somos sempre carente dele.

tata disse...

Minha visita aqui só fez com que a admiração que tenhopor ti meu miguxu virtual aumentasse,parabéns...adorei beijos no seu coração marta,taty

Zetac disse...

Eu faria o mesmo,meu pai é meu heroi e vivo longe dele a 6 anos, tenho 24 anos e sonho todas as noites voltar pra casa onde sempre recebi amor carinho e ensinamentos, e me desespero todas as veses que me despeço dele.Não é carência de amor é amor demais.
Parabéns Edu, vc é um genio com as palavras.